top of page
cogumelos-topo-foto.jpg
Micologia Geral

Mushrooms

Wild and Cultivated

GENERAL MYCOLOGY

Os Fungos são um grupo de organismos que, pelas suas características únicas de alimentação (organismos que se alimentam por absorção de nutrientes do meio exterior) e de reprodução (organismos que se reproduzem por esporos), se distinguem dos Animais e das Plantas.

Apresentam uma diversidade muito grande de formas e padrões de crescimento, sendo a maior parte das espécies bastante inconspícuas, com corpos microscópicos, muitas vezes unicelulares. Muitas espécies de fungos apresentam propriedades únicas, de grande interesse, como a capacidade de fermentação alcoólica das leveduras Saccharomyces cerevisiae, ou a produção de compostos antibióticos por fungos do género Penicillium, por exemplo.

Rhizopus stolonifer em fatia de pão
Saccharomyces cerevisiae
Amanita muscaria

Cogumelos

Exemplo do ciclo biológico de um tipo de fungo

Dois grandes grupos de fungos, Basidiomycota e Ascomycota, contém as espécies de macrofungos, i.e., fungos visíveis a olho nu, facilmente reconhecidas pelas suas estruturas vegetativas, os Micélios, e reprodutoras, os Carpóforos: Cogumelos ou Trufas.

O Micélio é uma estrutura filamentosa, multicelular, que se desenvolve através de hifas, e constitui o “corpo” do fungo, colonizando tecidos orgânicos vivos ou em decomposição. Tem muitas vezes o aspeto esbranquiçado de algodão fino, de crescimento radial.

O Carpóforo é uma estrutura reprodutora que se desenvolve a partir da matriz do Micélio e que, através da sua forma e hábito de crescimento, permite a dispersão dos Esporos, as pequenas “sementes” do fungo. Cada Cogumelo pode produzir dezenas de milhares de novos esporos que, quando as condições ambientais são propícias, originam um novo Micélio e, consequentemente, um novo ciclo de vida.

São os Cogumelos as estruturas do fungo mais comummente reconhecidas e utilizadas para a alimentação humana. Estes podem apresentar diversas formas, tamanhos, cores e texturas, no entanto, a generalidade dos Cogumelos apresenta-se sob a forma de chapéu-de-chuva ou seta, com um chapéu mais ou menos largo apresentando poros, pregas, agulhas ou lâminas na face inferior ou himénio, um mais ou menos espesso ou alongado e um anel que o circunda.

Representação esquemática de dois tipos diferentes de corpos frutíferos

Ecologia e Formas de Vida

Os fungos são um grupo de organismos extremamente bem adaptado às mais diversas condições ambientais do planeta, podendo surgir debaixo de neve, em águas doces ou salgadas, debaixo de solos desérticos, sobre madeira em decomposição ou até dentro do corpo de outros organismos… As principais formas de vida dos fungos surgem associadas a diferentes maneiras de explorar as fontes de alimento disponíveis. É bom recordar que, ao contrário das plantas, os fungos não conseguem produzir o seu próprio alimento, pelo que precisam de absorver o carbono necessário ao seu desenvolvimento a partir de matéria orgânica, viva ou morta.

Assim, podemos dividir os fungos em três grupos principais:

Fungos Saprófitos: fungos que se desenvolvem através da absorção de matéria orgânica morta, contribuindo para a sua decomposição. Este grupo de fungos é de importância vital para a manutenção dos ecossistemas em que se inserem, contribuindo para a reciclagem de nutrientes e para o controlo de agentes patogénicos. Podem ser divididos em diferentes categorias:

  • Coprófilos: desenvolvem-se sobre excrementos de animais e alguns necessitam de substratos em fermentação para frutificarem;

  • Humícolas: desenvolvem-se sobre resíduos vegetais em decomposição, i.e., húmus;

  • Lignícolas: crescem sobre madeira morta, ramas velhas e troncos;

  • Folícolas: crescem sobre folhas secas e caídas;

  • Cortícolas: vivem sobre a casca de árvores;

  • Pratícolas: desenvolvem-se no solo, em prados e pastagens.

Fungo Saprófito Coprófilo
Fungo Saprófito Lignícola
Fungo Parasita

Fungos Parasitas: fungos que habitam e colonizam corpos de animais, plantas e até mesmo outros fungos, utilizando os seus recursos vitais e provocando doenças e, em certos casos, a morte do hospedeiro.

Fungos Simbióticos ou Micorrízicos: fungos que estabelecem relações de simbiose, ou cooperação recíproca, com um conjunto mais ou menos alargado de espécies vegetais (árvores, arbustos e herbáceas). Estes fungos obtêm das plantas o excesso de compostos orgânicos por elas produzidos, principalmente açúcares complexos. Em troca o fungo permite à planta, através da união das suas raízes com o micélio, aumentar a extensão e a capacidade de absorção radicular de água e nutrientes. Algumas espécies de fungos micorrízicos são consideradas cosmopolitas, isto é, podem estabelecer relações de simbiose radicular com várias espécies de plantas superiores. Por outro lado, outras espécies apenas colonizam as raízes de uma espécie de planta, sendo por isso simbiontes exclusivos. As espécies de fungos com cogumelos tradicionalmente utilizadas na gastronomia são principalmente espécies micorrízicas que estabelecem relações de simbiose com árvores de importância ecológica e económica, como os Pinheiros (Pinus spp.), os Castanheiros (Castanea sativa) e os Carvalhos (Quercus spp.).

Fungo Micorrízico

Referências

  • Bastidas, M.J., Machado, H. (2012) Cogumelos Com Interesse Económico no Baixo Alentejo. ADPM

  • Baptista-Ferreira, J. et al (2013) Guia do Colector de Cogumelos – para os cogumelos silvestres comestíveis com interesse comercial em Portugal. DGADR

  • Sanchéz Rodríguez, J.A. et al (2004) Los Hongos, Manual y Guía Didáctica de Micología. IRMA

bottom of page